Rio Criativo inicia o ano com Maratona sobre Inovação e Cultura Digital – Rio Criativo

Rio Criativo inicia o ano com Maratona sobre Inovação e Cultura Digital

Vivemos um mundo em transição, marcado por revoluções digitais, disputa por atenção, abundância de dados e pós-verdades. É uma era sem igual, revelada pela inovação e guiada por propósito. É chamada de pós-digital, onde a tecnologia ultrapassou a fronteira entre o físico e o virtual e, na maior parte do tempo, nem notamos que está lá.

Ganhamos novas ferramentas, acesso ao conhecimento, novas conexões, capacidade de customização. Colocamos em cheque a propriedade, dando lugar ao acesso. Implementamos sistemas colaborativos e desconstruímos hierarquias tradicionais.

Dispositivos conectados e Inteligência Artificial (IA) abrem as portas para novos canais, por intermédio do aprendizado gerado pela moeda do mundo conectado: os dados. Mas ao mesmo tempo que abraçamos o Big Data, colocamos em risco nossa privacidade e empregabilidade.

Nesse cenário de transformação acelerada e abundância de incertezas, faz-se necessário navegar os novos meios com novas ferramentas, moldando-as e sendo moldados por elas.

O que esperar da era digital? Quais são os futuros possíveis nesse cenário? Enxergar o potencial da inovação que a tecnologia tem, na prática, sobre a sociedade como um todo é a narrativa da Maratona abre o ano de 2019 no Rio Criativo.

Vamos explorar o potencial das novas tecnologias como agentes transformadores, repensando-as como fator determinante para as novas formas de relações humanas.

OBS.:

19h às 22h – Happy Hour

Durante toda a maratona também contaremos com um painel de conexões no salão e um lounge com experiências tecnológicas para serem testadas. 

 

Para fazer sua inscrição, clique no título da oficina que tem interesse em participar, logo abaixo:

 

 

Dia 1

15/01 – Terça-Feira

9h às 13h  –  Demotech: o futuro da democracia com Debora Albu

O que é?

Como a tecnologia interage com as necessidades da gestão pública e com a maior participação da sociedade civil nas tomadas de decisão? Vamos entender alguns conceitos básicos sobre democracia e suas principais interseções com a tecnologia a partir dos campos de tecnologia cívicas (civic tech) e tecnologias para governo (govtech). Esses conceitos serão ilustrados por diversos casos e iniciativas que servirão como subsídio para discussão e dinâmicas na oficina.

O que você leva:

  • Conhecimento sobre tecnologias cívicas (civic tech)e tecnologias para governo (govtech).
  • Entender os pontos positivos e negativos das interseções entre tecnologia e democracia.
  • Casos de aplicações de tecnologia, e o que você pode fazer com o uso de aplicativos no seu smartphone para solucionar problemas de gestão pública e participação.

É  para você que:

  • Busca conhecimento sobre como a tecnologia afeta democracias e política.
  • Quer ter ideias de como desenvolver soluções em tecnologias cívicas.
  • Quer trabalhar com conceitos atuais de governança.

Sobre o facilitador:

Debora Albu é mestre em Gênero e Desenvolvimento pela London School of Economics and Political Science – com bolsa pela Chevening Brazil Award – e graduada em Relações Internacionais pela PUC-Rio. Desenvolve pesquisas na área de democracia e tecnologia, ativismo digital e estudos de gênero. É pesquisadora e coordenadora de projetos na área de democracia e tecnologia no ITS Rio.

 

14h às 18h  – O futuro do dinheiro: blockchain e novos cenários com Gabriel Aleixo

O que é?

A forma como usamos o dinheiro, como as empresas produzem, como consumimos, como nos relacionamos, está mudando rapidamente. Blockchain, fintech,  digitalização dos meios de pagamentos, desmonetarização, passaram a ser expressões correntes. Nessa oficina vamos descomplicar esses termos. E mais: um destaque especial será dado ao blockchain, um protocolo de confiança gerido de forma colaborativa por todas as partes interessadas, sem intermediários centralizados. Tudo o que é permeado pela necessidade de confiança está sendo ou poderá ser atingido por essa tecnologia de múltiplas aplicações, desde a comprovação de nossa identidade até determinar a origem de produtos.

O que você leva:

  • Panorama completo sobre os novos cenários do dinheiro
  • Entendimento do funcionamento da tecnologia blockchain, criptomoedas, etc.
  • Capacidade de avaliar custos, benefícios e casos reais em que a tecnologia blockchain pode ser aplicada, em que medida e com que objetivo.

É  para você que:

  • É curioso por inovação, descentralização, sistemas distribuídos, automação e novos modelos de negócio
  • Deseja aprofundamento e esclarecimento sobre os mitos e verdades por trás do potencial da tecnologia blockchain.
  • É leigo porém interessado no tema.

Sobre o facilitador:

Gabriel Aleixo é graduado em Administração pela FGV, com formação em Inovação e Criptografia pela Universidade de Cambridge, Reino Unido. Co- criador e apresentador da web série Bitcoin em Português, primeiro curso aberto sobre bitcoin em língua portuguesa. Pesquisador Sênior do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio de Janeiro (ITS Rio), atuando desde 2013 nas frentes de criptomoedas, tecnologia blockchain e segurança da informação. Head of Research da QR Capital. Co-fundador da Hathor Network. Tem 5 anos de dedicação integral a pesquisas, cursos e investimentos referentes a moedas digitais e tecnologia blockchain.

 

Dia 2  

16/01 – Quarta-Feira

9h às 13h  –  Inovação social: impacto e valor compartilhado com Thaís Rosa   

O que é?

Nesta oficina iremos trazer um novo olhar para  ferramentas low tech que produzem inovação e tecnologia, normalmente apresentadas a partir de uma só perspectiva.O setor social vem criando soluções inovadoras  que estão diminuindo a desigualdade social e transformando comunidades e jovens. Iremos expandir e trazer questões relacionadas aos diversos territórios que conformam o Estado do Rio de Janeiro. Como a inovação social pode gerar valor compartilhado e criar impacto a partir da diversidade cultural? Como uma comunidade pode usar recursos low tech para resolver escassez ou problemas? Essa é a questão central da oficina.

O que você leva:

  • Entender outros significados para conceitos como “inovação” e “ tecnologia”.
  • Conectar saberes e trazer para seu empreendimento valores compartilhados.
  • Geração de impacto a partir da diversidade e visibilidade.

É  para você que:

  • Busca outros olhares para o mundo empreendedor.
  • Quer atuar com as potencialidades do Rio inovando, a partir de sua história e saberes  culturais, impactar e gerar valor compartilhado.
  • Quer se conectar mais com a cidade do Rio de Janeiro e aprender com quem faz inovação social.

Sobre o facilitador:

Thaís Rosa é jornalista, mestre em Memória Social (UNIRIO), guia de turismo e pesquisadora.  CEO da “Conectando Territórios”, agência que aproxima as pessoas da história, memória e cultura de comunidades tradicionais quilombolas, indígenas e comunidades urbanas a partir do turismo de base comunitária. Elaborou projetos sociais e de inovação tecnológica. Palestrou em universidades internacionais (Colômbia e Estados Unidos), além de projetos de audiovisual como minisséries e vídeos no canal da Conectando Territórios. Participou da primeira turma do Start Up Rio, e foi selecionada em 2017 para o Young Leaders of the Americas Initiative (YLAI).

 

14h às 18h  – O futuro do trabalho com Herman Bessler   

O que é?

O futuro já está aqui, ele só não está distribuído ainda. Nesse encontro vamos debater as consequências da quarta revolução industrial no futuro do trabalho. A automação em massa, o desenvolvimento de inteligência artificial e a transição cultural decorrente da chegada dos millenials ao mercado de trabalho em larga escala está transformando a forma de pensar e fazer negócios, a natureza dos empregos e a cultura corporativa no Brasil e no mundo. Vamos explorar soluções que vão de universal “basic income” à reinvenção do emprego passando pela ressignificação do profissional do século XXI. Se olharmos pra a história humana, vemos que, desde as ferramentas rudimentares que criamos, até chegar à automação das máquinas, busca o auxílio de tecnologias para nos substituir em tarefas braçais. Buscamos eficiência. As ferramentas realizavam tarefas especifícas de repetição (automação). Agora, as máquinas não só executam e repetem. Elas aprendem (machine learning) através dos algoritmos.

No futuro ficaremos tão eficientes que teremos mais tempo para cria. É aqui que a Economia Criativa se torna a principal forma de geração de valor para a sociedade. Cabe à humanidade inventar um novo tipo de trabalho, adiantar os problemas do futuro, criar conteúdo e desenvolver as artes.

O que você leva:

  • Aprendizado sobre a ressignificação profissional nos dias atuais.
  • Conteúdo sobre a nova forma de valor de geração de valor para a sociedade.
  • Entendimento de que a humanidade deve inventar um novo tipo de trabalho, capaz de fazer frente aos problemas do futuro.

É  para você que:

  • Busca compreender as tendências de comportamento.
  • Quer viver a nova era e participar do contexto do novo mundo de dados/algoritmos.
  • Não se sente inserido no mercado e acha que está sem emprego por incapacidade, sem conseguir olhar para o todo!

Sobre o facilitador:

Herman Bessler é fundador do TEMPLO.cc, da MALHA.cc e do Journey.cc. Fundou e gerenciou negócios nas áreas de educação, imobiliária e no terceiro setor. Nos últimos cinco anos dedicou-se à pesquisa, projetos e consultorias ligados a inovação corporativa, ao futuro do trabalho e a economia criativa em centenas de startups e corporações. É CEO do Templo.cc, um hub de inovação e negócios criativos e diretor do programa educacional e  ciclo de incubação do Rio Criativo 2018/2019.

 

Dia 3

17/01 – quinta-feira

9h às 13h  –  Programação para não programadores com Thays Viana 


O que é?

Esta oficina tem um formato menos tradicional, e vai utilizar o chamado dojo(nome que vem das artes marciais). Um piloto e um copiloto atuam juntos para desvendar os mistérios da programação, um passinho de cada vez. Nosso objetivo é passar os conhecimentos básicos de programação na linguagem Python – a queridinha de dez entre dez grandes empresas inovadoras – de maneira divertida e acolhedora. Criamos um ambiente de participação onde executamos uma sequência de tarefas computacionais. Você pode conhecer mais sobre o formato neste link:
https://github.com/PyLadiesRio/workshop-python/blob/master/regras_dojo.md

 

O que você leva:

  • Conhecimento básico sobre programação
  • Aprender a programar de forma divertida e sem estresse
  • Linguagem livre e de código aberto, de alto nível, com uma boa biblioteca e uma comunidade imensa para te dar suporte, sintaxe simplificada, ótimos frameworks. Ufa, já chega, né?

 É  para você que: 

  • Busca aprender programação mas ainda não sabe muita coisa, ou até mesmo nada;
  • Quer entender como fazer programas em Python,
  • Quer trabalhar no Google, Youtube e na Nasa assim como outros grandes (com o mínimo de esforço a não ser se tornar craque em Python).

Sobre o facilitador:  

Mestre em Inteligência Artificial (UFRJ) e entusiasta de comunidades e tecnologia.Trabalhou em projetos da Fundação COPPETEC e na maior empresa brasileira de ingressos: a Ingresso.com. Atualmente, é líder no desenvolvimento de projetos e Gerente de projetos e sócia no software Studio Hub9. Thais é um membro ativo da comunidade de software livre. Diretora do Pyladies Brazil e membro do conselho do PyLadies Rio, grupos que se concentram em ajudar mais mulheres a se tornarem participantes e líderes ativos na Tech Community.

 

14h às 18h  – Faça você mesmo: cultura maker com Thamyra Thâmara

O que é?

O avanço tecnológico aliado ao acesso gratuito à informação e ao fim da exclusivi- dade nos meios de produção vem transformando a cadeia de inovação high e low tech. Se por um lado a alta inovação vem de grandes empresas, é a
inovação nas pontas – movida pela cultura maker, aberta, open source, de olhar descolonizado –  a melhor forma de acelerar processos, democratizar acesso, ativar a inteligência coletiva, propagar o conhecimento e diminuir os custos.

O que você leva:

  • Conhecimento sobre o seus próprios “poderes”.
  • Um olhar sobre o  modelo “faça você mesmo”.
  • Aprendizado sobre modelos compartilhados de produção e consumo.

É  para você que:

  • Quer aprender fazendo da forma mais econômica possível.
  • Acredita na colaboração e no movimento maker open source.
  • Quer sair do papel de consumidor para o de “prosumidor”, produzindo e compartilhando conhecimento, energias renováveis, modelos 3D, a custo marginal quase zero.

Sobre o facilitador:

Thamyra é jornalista, mestra em cultura e territorialidade (UFF), gambióloga, criadora de metodologias com ênfase nas Classes C e D. Cofundadora do GatoMÍDIA, espaço de aprendizado em mídia e tecnologia para jovens negros criado no Complexo do Alemão desde 2013. Faz parte da equipe do AWA, workshop de Comunicação Criativa Classe C e D e da Agência Naya, de conteúdo estratégico. Acredita que o boca a boca é a maior plataforma de comunicação. Gosta de remixar comunicação popular com as novas tecnologias.

 

Maratona Rio Criativo – Rio de Janeiro

Data: 15, 16 e 17 de janeiro

Horário: 9h às 13h e de 14h às 18h

Entrada: Gratuita (evento aberto – 100 vagas)

Local: Rua Visconde de Pirajá, nº 54 – Ipanema

Inscrições: www.riocriativo.com